Imagens perfeitas com o melhor tripé para uso fotográfico

tripé fotográfico

Para todos os apaixonados por fotografia, o cavalete ou tripé é o melhor acessório já inventado.

Mesmo que hoje, graças aos modelos mais recentes de câmeras digitais, seja bastante fácil obter imagens nítidas, acontece com mais ou menos frequência que cenas específicas, não apenas em condições de pouca luz, ficam “embaçadas”.

Um bom tripé é essencial para tirar fotos nítidas – o suporte estável é muito importante, especialmente para paisagens, flora e macro.

O tripé elimina efetivamente a interferência devido aos movimentos das mãos e permite compor a fotografia com cuidado; Além disso, é de grande ajuda caso você esteja montando lentes telefoto pesadas, como 400 f / 2.8, 500 f / 4 ou 600 f / 4.

Não existe um tripé certo para todos, mas é preciso considerar os modelos que atendem às suas necessidades específicas. Além disso, o desempenho mais relevante deve ser avaliado com base nas características de sua câmera.

Mesmo que não seja necessário gastar quantias exageradas, é aconselhável evitar comprar tripés super baratos que talvez sejam encontrados em supermercados. Eles podem de fato ter pernas finas, uma cabeça fixa e não muito versátil … e no final provam-se praticamente inúteis.

Resumo

  • Como usá-lo
  • Diferentes tipos para todos os usos
  • Como escolher a cabeça certa
  • Monopé
  • Tripés fixos
  • Tripés de viagem

Como usá-lo

Os tripés são empregadosTripés

para tirar fotos estáticas e em movimento, a fim de evitar a trepidação da microcâmera. Eles são indispensáveis ​​ao tirar exposições em baixa velocidade ou ao usar lentes de distância focal extrema cujas velocidades do obturador são muito rápidas: é por isso que o tripé também é útil em condições normais de luz, e não apenas quando é ruim.

Um tripé também é um suporte válido quando é necessário realizar um enquadramento preciso da imagem ou quando se trata de repetir várias imagens da mesma cena em momentos diferentes

Se você precisa de um tripé de viagem, a principal prerrogativa é que ele seja compacto e possivelmente leve. Quem gosta de panoramas e o transporte não é problema pode optar por um modelo robusto, projetado para garantir a máxima estabilidade.

Quem, além de fotografar, também gosta de se dedicar à filmagem de vídeo, pode optar por um tripé de três seções, equipando-o com uma cabeça de três vias, para usá-lo facilmente em ambas as aplicações.

Seja qual for a escolha final, uma coisa é certa: com o melhor tripé fotográfico você não corre o risco de ter que deletar fotos devido à trepidação da câmera.

Diferentes tipos para todos os usos

Os tripés não são todos iguais. Existem aqueles projetados para gravação de vídeo e aqueles específicos para fotografia.

Os modelos fotográficos distinguem-se por sua vez pelo número de secções, pelo tipo de material e pelo tipo de cabeça.

Às vezes, alguns modelos são comercializados em variações específicas com três ou quatro seções (há marcas que também fornecem duas seções).

As seções nada mais são do que o número de peças ou extensões que compõe cada perna do tripé e que permite a compactação do acessório. Um tripé de quatro seções é geralmente menos volumoso que um tripé de três seções e ainda menos que um de duas seções.

Isso significa, na prática, que um cavalete de dois metros formado por duas seções, uma vez dobrado, pode ocupar um metro de comprimento (uma seção dentro da outra). Se, por outro lado, for composto por quatro seções, pode ser compactado em cerca de meio metro.

No entanto, também deve ser considerado que um tripé é mais estável se for menos “quebrado” em sua estrutura. Portanto, um tripé de três seções será mais estável do que um tripé de quatro seções e poderá amortecer melhor as vibrações.

A segunda característica mais óbvia que diferencia os tripés é o tipo de material de que são feitos. O modelo clássico de alumínio pode ser usado em todas as circunstâncias; o de fibra de carbono pesa muito menos que o de alumínio, é mais rígido, mas custa muito mais. Portanto, é preciso sempre encontrar um bom compromisso entre estabilidade, portabilidade e… o orçamento disponível.

Uma terceira diferença importante é feita pela cabeça, que é o elemento que conecta a câmera ao tripé: existem vários tipos de articulações que permitem enquadrar da melhor forma a cena a ser capturada.

Outro elemento a considerar é o alcance máximo, ou seja, o peso da câmera que o tripé é capaz de suportar. Embora a maioria dos tripés possa carregar um peso muito maior do que o declarado pelo fabricante nas características técnicas, é bom ter em mente que o peso excessivo pode comprometer a estabilidade.

Finalmente, a altura mínima e a altura máxima são importantes. A altura máxima deve ser de pelo menos 1,5 metros, mas a altura mínima talvez seja ainda mais importante, especialmente se você tiver que fazer fotos macro. Caso você precise ter uma altura mínima de 20 a 30 centímetros, você precisa optar por um modelo profissional.

Como escolher a cabeça certa

A cabeça é o elemento que permite montar a câmera. Muitas vezes, é equipado com vários tipos de juntas para permitir que você enquadre a cena da melhor maneira. Não raro, os tripés são fornecidos em kits com cabeçote já integrado como complemento; no entanto, quase sempre é possível escolher a configuração.

As cabeças podem ser do tipo bola, três movimentos ou cremalheira.

A bola é a mais comum, principalmente em kits, e é uma boa opção para uso geral; é caracterizada por uma junta esférica para permitir o movimento de todos os eixos de rotação a partir de um único ponto. A câmera pode assim ser posicionada rapidamente na direção do ângulo preferido.

É o tipo de cabeça mais versátil, que pode ser usado para qualquer coisa, desde paisagens até ação. Sua principal desvantagem é que nem sempre é fácil fazer ajustes realmente finos.

A cabeça de três movimentos é caracterizada por um sistema que, como o nome sugere, restringe o movimento da câmera ao longo de três eixos distintos: direita ou esquerda, para cima ou para baixo, com variação do ângulo de inclinação. Ou seja, cada eixo pode ser independente do outro, pois cada movimento corresponde a uma alavanca diferente.

A cabeça do rack é o tipo mais caro de cabeça. Além dos movimentos padrão, permite fazer micro ajustes. Geralmente possui controles duplos tanto para ajustes que não requerem precisão particular quanto para os do tipo micrométrico.

A cabeça do rack permite que você faça uma foto mais precisa, o que é ideal principalmente para quem tira fotos de arquitetura e interiores, e é o melhor para fotos macro. A desvantagem não é apenas econômica, mas também pelo volume e peso deste componente.

Monopé

Monopé

O monopé é uma alternativa ao tripé. É composto – como o próprio nome sugere – de uma única perna telescópica.

Se você optar por usar o monopé, deverá manter a máquina constantemente no lugar. No entanto, esse tipo de suporte favorece um maior controle do equipamento, ao mesmo tempo que alivia seu peso. Assim, pode oferecer alguns dos benefícios estabilizadores de um tripé.

Entre suas particularidades, a de garantir maior velocidade de uso e otimizar o transporte. Sua desvantagem, é claro, é que não é completamente autossustentável.

Tripés fixos

Se você precisar fazer fotos específicas de baixo, é possível usar modelos de tripé curtos equipados com pernas de comprimento fixo.

Geralmente são versões para desktop, ideais para serem combinadas com câmeras compactas, mas também com smartphones. Esses tripés podem ser segurados com as pernas fechadas para uma gravação de vídeo mais confortável.

Embora aparentemente você possa pensar que é um brinquedo, na realidade não é. Além disso. Eles também podem montar uma cabeça esférica para garantir o movimento da câmera.

Tripés de viagem

Tripés de viagem

Um tripé de viagem pode ser facilmente guardado em na bolsa da câmera, na bagagem de mão para levar no avião ou na mochila.

“CLIQUE AQUI: Os 6 melhores tripés de viagem”

Leve e compacto, é a solução ideal para caminhantes, amantes de safáris fotográficos e fotografia da vida selvagem, fotojornalistas… e para quem viaja longas distâncias com uma bolsa de câmera no ombro.

Geralmente feito de alumínio ou fibra de carbono, pode pesar até menos de um quilo. Entre as funções de destaque encontradas nos modelos mais avançados, está a de garantir a máxima estabilidade mesmo em condições de vento.

Similar Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *