Bullying nas escolas, as causas e tudo o que você precisa saber

o fenômeno bullying nas escolas sempre existiu, mas nos últimos anos, na Itália e no mundo, viu não apenas um aumento significativo, mas também uma espécie de “evolução”.

Se antes as vítimas dos valentões eram os companheiros colegas de classe ou “mais fracos”, hoje na Itália há casos ainda mais alarmantes que vêem vítimas mesmo professores.

Sem falar no terrível fenômeno da cyberbullying capaz de trazer as vítimas até mesmo para encontrar no suicídio a única solução.

Mas o que é bullyingquais são os seus causas e como pode ser abordado?

Resumo

  • O que é bullying
  • Quem são as vítimas
  • Quem é o valentão
  • As causas do bullying
  • Quais são as consequências?
  • Cyberbullying
  • O que a vítima, os pais, os professores e qualquer pessoa que presencie o bullying podem fazer?

O que é bullying

assim-é-bullying

O termo bullying significa todos os atos agressivos perpetrados por rapazes com seus pares, principalmente no ambiente escolar. O bullying é uma agressão física ou verbal que se repete ao longo de um período de tempo e que envolve um desequilíbrio de poder entre o agressor e o agressor. vítima.

O bullying é pensado para ser o resultado da necessidade de valentão ganhar e manter o controle sobre outra pessoa. De acordo com alguns estudos, tais agressão nada mais é do que uma ferramenta que permite ao agressor evitar ser vítima de bullying, ou uma resposta porque já o é.

A agressão pode ser de dois tipos: proativa e reativa. EU’agressão proativa ela é organizada, emocionalmente desapegada e movida pelo desejo de recompensa.

EU’agressão reativa é impulsivo, em resposta a uma ameaça percebida e associada a emoções como ansiedade ou raiva.

Podemos dividir o bullying em 5 categorias:

  • Físico: atos violentos como bater ou empurrar
  • Minutas: ameaças, insultos, difamação, difamação;
  • Relacional: fofoca e calúnia para excluir a vítima;
  • Reativo: O agressor é tal que não se torna intimidado ou porque já é
  • Propriedade: danos a objetos.

O bullying tem três características que todos eles têm em comum:

  • intencionalidade da ação agressiva do agressor;
  • persistência de conduta persecutória e agressiva;
  • vulnerabilidade da vítima.

Segundo pesquisas, 28% dos jovens entre seis e doze anos já foram vítimas de bullying.

A maioria dos episódios de violência e bullying nas escolas ocorre em áreas menos supervisionadas por adultos. Quem presencia um episódio de bullying tende a não reaja e para agradar o valentão, para não se tornar uma vítima.

Acontece que os meninos tendem a praticar assaltos física, enquanto as meninas psicológicas. O fato mais alarmante é que os casos de bullying no jardim de infância com uma redução significativa do limiar de idade dos agressores e vítimas.

Muitas vezes o professores eles subestimam o fenômeno do bullying nas escolas, enquanto os pais estão cientes de que seu filho é vítima apenas metade das vezes.

Quem são as vítimas

Qualquer pessoa pode ser vítima de bullying. Normalmente os únicos requisitos são ter uma característica, física ou não, “fora do comum” e ser vulnerável e incapaz de reagir.

Portanto, as vítimas de bullying incluem crianças de diferentes raças ou etnias, aquelas com problemas de aprendizagem ou deficiência ou crianças homossexuais. Mas não só.

Pertencer a uma classe social baixa, ser muito gordo ou muito magro, ter uma característica física particular, até ser bom na escola. Em poucas palavras, quem fica fora do padrão torna-se vítima de bullying.

Quem é o valentão

Existem dois tipos de agressores: aqueles que são eles próprios vítimas de violência na família ou em outros contextos e aqueles que não empatia em direção aos outros.

Geralmente, há mais agressores que são intimidados agressivo, menos populares e oriundos de famílias com baixo nível socioeconômico. Eles têm baixa auto-estima que tentam remediar através do bullying.

Os agressores que, por sua vez, não sofrem bullying, ao contrário dos primeiros, têm uma consideração e uma estima que é muito alta para si mesmos e isso os legitima a assumir o controle dos outros. Eles vêm de famílias abastadas e combinam o bullying com a tentativa de aumentar sua popularidade.

Uma das teorias psicológicas sobre o bullying é que esse problema deve estar reconectado a um déficit sociorelacional, vinculado à incapacidade do agressor de aceitar, viver e gerenciar conflitos. Simplificando, o valentão, incapaz de se relacionar e, pior ainda, de discutir, usa a violência para controlar seus pares.

As causas do bullying

causas-de-bullying

Existem muitas causas que podem levar ao bullying. Já vimos duas delas: ser vítima de violência e bullying, ou falta de empatia e exigir controle sobre os outros.

Ambas as causas estão unidas por uma situação familiar onde há falta de autoridade ou, se houver, isso é tratado de maneira muito ruim. Pais muito autoritários e talvez até violentos podem levar a criança a se comportar como um valentão.

Infelizmente, algumas crianças são agressivas porque aprenderam em casa que a melhor maneira de conseguir o que você quer é conseguir. intimidação ele insultos.

Da mesma forma, exatamente o oposto é comprometedor: pais excessivamente permissivos e tolerantes que tratam seu filho como se ele fosse um amigo.

Em alguns casos, a figura parental pode estar quase completamente ausente devido a divórcios ou trabalhos excessivamente exigentes que mantêm o pai ou os pais longe de casa por muitas horas por dia.

Também um relacionamento conflituoso ou a ausência entre a escola e a família pode causar bullying e, principalmente na Itália, são cada vez mais os casos de pais que desafiam o professor com uma nota, uma nota ruim ou uma punição contra seu filho, deslegitimando a escola de seu dever de ensino e educação .

Outro fator que incentiva o bullying é a falta de vigilância. Muitas vítimas sentem que não têm a quem recorrer para obter ajuda. Além disso, eles estão convencidos de que, se pedirem ajuda, isso só piorará as coisas. Portanto, muitas crianças passam seus anos escolares em constante estado de ansiedade e insegurança.

Existem outras causas como a falta de regras, o tédio social, a falta de estímulos, a insatisfação, a monotonia, o “fascínio do poder”, o pertencimento a uma matilha, o prazer de fazer sofrer, a inveja, a intolerância ao diferente, a falta de empatia e muitos outros.

Quais são as consequências?

O bullying pode ter consequências imediatas, mas também de longo prazo.

O menino que sofre bullying na escola tenta faltar à aula, falta à escola ou chega atrasado. Ele pode ficar mal-humorado, irritável, frustrado, parecer cansado, retraído ou, consequentemente, se envolver em comportamento agressivo em relação às pessoas próximas a ele.

Se o bullying continuar por muito tempo de maneira muito violenta e insustentável, causa depressão e perda de autoconfiança. Na pior das hipóteses, a vítima vê o suicídio como a única solução.

As consequências do bullying persistem mesmo depois de muitos anos. A vítima, agora adulta, pode sofrer de problemas de saúde, ter uma carreira decepcionante, sofrer de enxaquecas, insônia, ansiedade, depressão e até estresse pós-traumático.

Cyberbullying

o cyberbullying nada mais é do que o bullying perpetrado nas redes sociais e na internet. Pode ser definido como o uso repetido de tecnologia para assediar, humilhar ou ameaçar outra pessoa. As características do cyberbullying são a ausência de contato com o agressor e de limites de espaço-tempo.

Cyberbullying não é apenas ter um comportamento agressivo em um bate-papo ou em um social.

Também pode assumir outras formas, como a partilha de fotos humilhantes da vítima com outras pessoas, abusos e perseguições através de mensagens de texto, a divulgação de rumores de descrédito nas redes sociais, para depois terminar com a divulgação de vídeos relativos à esfera sexual da vítima. , nomeadamente sexting.

O que a vítima, os pais, os professores e qualquer pessoa que presencie o bullying podem fazer?

O bullying pode ser combatido se as vítimas, as famílias, a escola e as testemunhas dos incidentes cooperarem entre si.

Aqueles que sofrem bullying devem encontrar coragem para conversar com um adulto, pai ou professor sobre isso. Só assim o corpo docente poderá intervir da forma mais adequada.

Quem presencia o fenômeno do bullying teria o dever moral de se posicionar contra o agressor, mesmo que isso nem sempre seja fácil. No entanto, se houver outros “espectadores”, todos poderão estar envolvidos na manifestação de sua desaprovação. Em qualquer caso, é sempre possível comunicar o problema a um professor para pedir uma intervenção.

A pais eles deveriam dialogar mais com seus filhos sobre essa questão e aprender a ouvir sem minimizar o problema. Depois de ter uma ideia clara da extensão do problema, o melhor a fazer é informar a escola e os demais pais.

As escolas podem tomar medidas eficazes contra o bullying, por exemplo, instalando mais câmeras em áreas menos monitoradas. Eles podem aumentar a conscientização na sala de aula falando sobre o problema e explicando as medidas anti-bullying tomadas.

escola também pode adotar sanções antibullying positivas, como instituir atividades de utilidade pública para os agressores, como limpeza da escola ou dos espaços de vigilância de seus colegas, ou negativas, como punição, suspensão ou até prisão.

Uma boa ideia é também fomentar a cooperação entre os alunos, recompensando comportamentos positivos com atividades extracurriculares.

O corpo docente pode eleger uma comissão à qual as crianças podem relatar problemas de bullying ou realizar pesquisas anônimas nas quais todos podem falar sobre o problema.

Origens:

Bullying na escola: as responsabilidades das famílias

Mediação na escola: uma possível resposta ao bullying?

Bullying: causas e consequências

Similar Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *