6 dicas para fotografia subaquática

Já não é hora de verão, mas se você tiver a oportunidade de ir de férias para algum país tropical, a fotografia subaquática é uma passatempo gratificante. É uma ótima saída criativa, seja para tirar fotos profissionais ou apenas se divertir na água.

Tirar fotos subaquáticas não é tão fácil quanto tirá-las em terra e até mesmo uma foto trivial leva muito mais tempo antes que seu dedo afunde no botão da câmera e possa capturar o assunto que você enquadrou.

O que fazer então? Experimente ler as oito dicas abaixo: você verá que fará milagres mesmo debaixo d’água!

Resumo

  • 1. Conheça seu equipamento
  • 2. Iluminação
  • 3. Clareza da água
  • 4. Enquadramento
  • 5. Processamento e pós-produção
  • 6. Aperfeiçoe suas habilidades
  • Aprenda a avaliar as dificuldades
  • Tudo que você precisa
  • Procure estar sempre confortável
  • Não mergulhe sozinho

1. Conheça seu equipamento

fotografia subaquática

Se você não tem muita experiência com fotografia subaquática, primeiro precisa entender onde está e o que pode fazer. A iluminação é complicada. A cor do leve debaixo d’água é muito diferente e quanto mais fundo você vai, mais a luz perde alguns de seus espectros cromáticos. Estar debaixo d’água é um mundo totalmente novo. Verifique cuidadosamente o seu equipamento antes de mergulhar.

Em particular, verifique se a bateria está carregada, se o cartão de memória tem espaço para pelo menos cem fotos e que o estojo está bem fechado. Aprenda a usar todos os botões com o estojo subaquático. Seu equipamento, mesmo que barato, pode fazer belas foto. Aprenda a usá-lo fora d’água, depois aprenda a configurar as principais funções ao mergulhar e ficará menos confortável do que em terra.

Passe algum tempo brincando com as configurações antes de colocá-lo na água. Isso vai lhe poupar alguma frustração. Aprenda também a configurar a câmera do jeito que você precisa antes de colocá-la no estojo: qualidade máxima, formato RAW e modo subaquático. Quanto menos recursos você tiver que alterar na água, melhor.

2. Iluminação

luz subaquática

A luz subaquática é muito diferente das condições familiares de tempo ensolarado ou nublado. Sob a água, a iluminação é tão importante quanto acima da água, mas age de maneira diferente. E à medida que você vai mais fundo, quanto maior a diminuição na leveo que significa que quanto mais profundo o assunto, menos iluminado ele será, e as cores se perdem com a luz.

Aos 5 metros desaparece o vermelho, depois o laranja, seguido (para os 10/12 metros) do verde, do azul, até à escuridão total. Portanto, ao planejar sua exposição, conforme você desce, você terá que aumentar a exposição ajustando o ISO, velocidade do obturador ou abertura.

Para evitar parcialmente o achatamento das cores, você pode usar o flash interno da câmera ou, se tiver a possibilidade, uma luz externa, como flash ou holofotes subaquáticos. No entanto, se estiver perto das rochas, tente fotografar nos primeiros metros do mergulho onde a luz natural ainda é boa.

3. Clareza da água

claridade da água

O nível de clareza da água pode afetar as imagens, especialmente se o assunto estiver longe. Se a água for cristalina, tanto melhor! Caso contrário, você pode usar uma lente grande angular ou se aproximar do assunto para diminuir a distância.

Desta forma, você ainda sairá de um quadro a cena, mas você se beneficiará de maior clareza do que quando se afasta e aumenta o zoom. Lembre-se sempre de que quanto menos água houver entre você e o assunto, mais fiel será a cor e a exposição.

Além disso, quanto mais longe o assunto estiver da sua câmera, mais balanço de branco fica azul, pois a água primeiro absorve o comprimentos de onda vermelho. É por isso que quanto mais perto você chegar do assunto, melhor será o balanço de branco, o contraste, a nitidez. Tenha cuidado para não usar o zoom digital, mas apenas o óptico.

4. Enquadramento

Mesmo que você não esteja interessado em estudar a composição da imagem, preste atenção em duas regras de enquadramento: você não tira fotos de cima para baixo e não fotografa o peixe por trás. Enquanto você está nisso, também preste atenção ao que está sendo enquadrado (não é tão bom colocar um pedaço de barbatana indescritível no quadro).

O melhor tiros são aqueles feitos comalvo apontada para cima, com o sol brilhando ao longe e iluminando o assunto de sua foto com seus raios.

Foque os olhos dos sujeitos ou pelo menos tente, eles são pequenos, mas pode ser feito. Se sua câmera oferece a opção de foco automático, pressione e segure o botão do obturador até a metade para enquadrar melhor o assunto antes de tirar a foto.

Se você tiver tela lcd, use-a. É muito mais fácil olhar para a tela LCD debaixo d’água do que através da ocular. Pode ter sido muito estranho no começo se você está acostumado a usar uma DSLR, mas rapidamente percebe que uma tela grande é uma grande conveniência debaixo d’água.

5. Processamento e pós-produção

pós-produção

Como todos técnicas fotográficas mesmo o subaquático está sujeito a intervenções de pós-produção. Desde o comprimentos de onda vermelhos são absorvidos primeiro, é necessário adicionar muito vermelho e amarelo à imagem para corrigir os tons de pele…

A configuração “subaquática” da câmera faz um trabalho decente ao adicionar um pouco de vermelho à imagem, mas você pode aumentar o contraste ao pós-processar suas fotos sem exagerar.

6. Aperfeiçoe suas habilidades

Concentre-se em um tipo específico de fotografia subaquática, como usar a função “macro” ou panorâmica e, antes de passar para um novo tipo, aperfeiçoe suas habilidades. O modo “macro” permitirá que você aumente o que parece pequeno através do visor. A alegria de ver as diferentes fotos é instantânea, pelas cores ou pelos detalhes fantásticos.

O aspecto mais difícil dessas fotos, portanto, não é necessariamente a técnica, mas a escolha do assunto. No espaço de um clique, você pode realmente perder um cardume de anêmonas ou um pequeno blênio. Além disso, a presença de correntes ou ondas pode dificultar o foco da próxima foto.

Processadores de câmera compactos são mais vantajosos por 2 motivos. A tela traseira permite um modo de enquadramento que geralmente é mais eficaz do que um reflexo. Além disso, os pequenos sensores do compacto aumentam significativamente a profundidade de campo graças a uma área nítida muito mais proeminente.

Evite tiros de metralhadora na tentativa de “agarrar” tudo o que vê e sempre verifique a atitude.

Aprenda a avaliar as dificuldades

As dificuldades da fotografia subaquática não são ditadas apenas pelo grande embasamento teórico e técnico necessário para obter uma fotografia satisfatória, mas também por limitações e problemas estritamente ligados ao meio em que nos encontramos fotografando: o marinho, que é um universo em em pé.

O primeiro passo para tirar fotos subaquáticas é conhecer a câmera em mãos. A segunda é entender como a câmera se comporta no novo elemento, como as lentes reagem e como o complexo corpo-lente “interage” com a iluminação particular disponível sob a superfície da água.

Não importa que tipo de câmera você tenha: seja uma point & shoot digital de nível básico ou uma DSLR, há uma série de regras que você deve sempre lembrar.

Tudo que você precisa

Em primeiro lugar, o que você precisa para a fotografia subaquática? Antes de tudo, você precisa de uma câmera subaquática ou uma câmera e um estojo subaquático à prova d’água (adequado para o carro, é claro)

Um par de óculos ou uma máscara de mergulho é obrigatório. É sempre bom ver o que você está fotografando! Máscaras maiores tornam a visibilidade um pouco mais fácil debaixo d’água.

Então, fique de olho na segurança! Compre uma pulseira flutuante para o aparelho para que você deixe a sua por um momento gopro não está perdido para sempre.

Finalmente, se você estiver usando uma caixa subaquática, é recomendável seguir as instruções que acompanham a caixa para garantir a estanqueidade e a resistência à água. Basicamente, você lubrifica a vedação de borracha e garante que ela se encaixe corretamente. Você também pode colocar um desses pacotes de gel de sílica dentro da caixa, apenas por segurança.

Procure estar sempre confortável

Na fotografia subaquática, você também precisa nadar e prender a respiração, bem como apontar e disparar. Se você não estiver mais treinado, ficará exausto após uma sequência subaquática.

Um dos fatores mais importantes nesta atividade é sentir-se confortável no ambiente marinho. Lembre-se: você é um pouco como uma plataforma flutuante sobre a qual repousa sua câmera à prova d’água. Justamente por isso, a capacidade de nadar bem – e em alguns casos até rapidamente, de chegar ao assunto – é essencial.

Claramente, o mergulho oferece vantagens significativas sobre o mergulho com máscara e snorkel: você pode ficar em águas mais profundas por mais tempo e mais perto da vida marinha. Mas para fotografar com sucesso debaixo d’água, você precisa ter controle absoluto de sua flutuabilidade e posição.

Não mergulhe sozinho

A menos que você esteja hospedado perto da costa, nunca mergulhe sozinho. É mais seguro estar acompanhado, pois quem tira as fotos certamente está menos focado no que está fazendo. Lembre-se que a segurança na água não é uma opção, não é algo para ser levado de ânimo leve com uma ousada autoconfiança. O mergulho seguro deve vir sempre em primeiro lugar.

Similar Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *